Vasinhos no tornozelo: Coroa flebectasica!

Tem vasinhos e varizes no tornozelo? Sabia que pode ser indicativo de um problema maior?
Dr Alexandre Amato, cirurgião vascular do instituto Amato (www.amato.com.br) fala sobre esse problema que atinge milhares de pessoas. Muitas vezes procuram o médico por uma questão estética, e acabam descobrindo um problema maior por trás disso.

— transcrição —

Olá Dr. Alexandre Amato cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje eu venho falar sobre os vasinhos que ficam no tornozelo nessa região e que incomodam esteticamente. Esses vasinhos podem ser teleangiectasias, reticulares, são os vasinhos que aparecem superficialmente e trazem incômodo estético e possuem vários tipos de tratamento: entre eles a escleroterapia, Laser, espuma. Então várias técnicas que podem ser utilizadas mas essa é uma área normalmente bem sensível. Então eu sugiro que faça também com a técnica Annox que é uma sedação consciente onde há uma diminuição de toda a sensibilidade à dor mas eu estou aqui hoje para falar outro aspecto dessa dessa doença. A coroa flebectásica muitas vezes ela pode ter só esse comprometimento estético pode significar somente isso. Mas ela pode ser também uma dica. Uma dica de que há um problema pra cima esse problema pra cima seria uma insuficiência venosa. Uma insuficiência em um sistema superficial como a safena, magna por exemplo que poderia trazer esse aparecimento desses vasinhos nessa região. Por isso é muito importante antes de fazer o tratamento estético desses vasinhos fazer uma investigação. Uma investigação se não há uma insuficiência venosa crônica ou se não há uma doença venosa profunda também que esteja causando esses problemas. Então busque o cirurgião vascular que é o médico apropriado para ajudar nesse sentido. Gostou dos nossos vídeos? Curta! Assine nosso canal. Compartilhe! Assim aqui o sininho aqui embaixo para receber as notificações e até o próximo.

Tratamentos de alta complexidade na reprodução humana. FIV.

Dificuldade para ter um bebê? Já tentou de tudo e não consegue? Talvez seja necessário o uso das modernas técnicas de fertilização. Dra Juliana Amato, ginecologista do Instituto Amato (www.amato.com.br), fala sobre as técnicas de alta complexidade no tratamento da infertilidade.

— transcrição —

Olá meu nome é Juliana Amato, sou ginecologista e obstetra do Instituto Amato e hoje nós vamos conversar um pouco sobre os tratamentos de alta complexidade em reprodução assistida. E o que consiste nesse tratamento? Esse tratamento consiste na fertilização in vitro com a técnica de ICSI que é injeção intra citoplasmática de espermatozoides ou a fertilização in vitro convencional. Qual que é a diferença desses dois procedimentos? A fertilização in vitro convencional é realizada com a colocação do sêmen do espermatozoide na placa de Petri junto com o óvulo e essa fertilização ocorre sem nenhuma interferência de quem está fazendo essa fertilização (do biólogo). A fertilização in vitro pelo método de ICSI é realizado uma injeção dentro do óvulo para injetar o espermatozoide lá dentro. Então são duas técnicas de fertilização mas cada uma tem uma indicação específica. E para quem é indicado a fertilização in vitro? Então é indicado para pacientes que estão há muito tempo tentando engravidar que já tentaram outros tratamentos anteriores e não obtiveram sucesso. Para mulheres maiores de 35 anos que tem um problema tubáreo, uma obstrução tubárea e não é possível uma gravidez natural, e para pacientes também casais aonde tem algum problema de azoospermia oligoespermia no homem. O que é isso? É uma baixa produção de espermatozoide ou esse homem ele não tem uma produção adequada de espermatozoides e essa produção pode estar até zerado. Como é realizado a fertilização in vitro? Então é realizada uma estimulação da ovulação com medicações injetáveis de 10 a 12 dias para que se consiga estimular o crescimento dos folículos que foram pré determinados no início do ciclo. Aqui em fertilização in vitro. Diferentemente de uma inseminação artificial, essa indução da ovulação é feita para que cresçam vários folículos e não somente um. Essa indução da ovulação ela demora mais ou menos de 10 a 12 dias quando os folículos eles já estão num tamanho adequado para deflagrar a ovulação é realizada uma nova medicação que vai fazer essa ovulação ocorrer 36 horas depois. Depois dessas 36 horas esses óvulos são retirados. A mulher toma uma sedação uma anestesia ele é retirado através de uma aspiração folicular guiada por ultrassom e no mesmo dia o homem colhe o seu sêmen no laboratório e esse sêmen é utilizado para fertilizar esses óvulos retirados da mulher. O tratamento todo entre estimulação da ovulação a retirada dos óvulos e a recolocação do embrião dura aproximadamente de 10 a 15 dias depois que se retirou esses óvulos e se fertilizou em laboratório. Esse embrião ele fica sendo observado pela bióloga em laboratório e no terceiro dia ele é classificado como um embrião bom, ruim ou regular e a partir daí, De acordo com o médico, esse embrião já pode ser transferido para dentro do útero. Após 12 dias da transferência do embrião pode ser realizado um beta hCG para saber se essa gravidez foi para frente ou seja se o procedimento deu certo. Muitas pessoas me perguntam quais as chances da fertilização in vitro dar certo de uma primeira vez?. É muito difícil responder essa pergunta porque cada casal é um casal. Tem um problema diferente de infertilidade. Então a gente não tem como falar generalizado uma possibilidade de gravidez nesse tratamento. Então o ideal é que você converse com seu médico e a partir do diagnóstico feito por ele, Você ter uma noção melhor da probabilidade de gravidez no procedimento para o seu caso. Se você gostou do nosso vídeo se inscreva no canal. De o seu like, ative o sininho de notificação para receber mais vídeos.

Tratamentos de baixa complexidade em reprodução assistida

Dificuldades em ter um bebê? A Dra Juliana Amato, ginecologista do Instituto Amato explica as técnicas de baixa complexidade nos tratamentos de infertilidade em reprodução humana.

— transcrição —

Meu nome é Juliana Amato sou ginecologista e obstetra. Hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre os tratamentos de baixa complexidade em reprodução assistida. Existem dois tratamentos de baixa complexidade que são o coito programado e a inseminação artificial. Quais os casais são indicados para fazer esse tipo de tratamento? São os casais que a mulher só tem um problema ovulatório. São casais onde a mulher tem menos de 35 anos onde o homem tem uma quantidade boa de espermatozoides o que permite fazer esse tipo de tratamento. Que consiste o coito programado? Ele é um tratamento onde se faz a indução da ovulação. Essa indução da ovulação vai fazer crescer o folículo e Esse folículo vai ovular no período que a gente quiser vai tomar uma medicação e a partir do momento que Esse folículo tiver um tamanho pré definido a gente dá uma outra medicação que vai fazer ovular 36 horas depois e com isso a gente consegue orientar o casal o melhor período para se ter relação para aumentar essa chance de gravidez. E a inseminação artificial? A inseminação artificial é indução da ovulação da mulher quando ela está no período ovulatório a gente deflagra essa ovulação com medicação e 36 horas depois a gente coloca o sêmen do marido processado com os melhores espermatozoides dentro do útero através de um cateter para aumentar essa chance de gravidez. Então são tratamentos bem diferentes e cada um tem sua indicação bem estabelecida. Mas pra você saber qual é o tipo de tratamento mais indicado o melhor é conversar com o médico de reprodução assistida porque não é todo tratamento que o casal é apto a fazer. Tem que ter uma avaliação de todos os hormônios. Uma avaliação do espermograma do marido. Tem que ter uma série de exames para ver qual o melhor tipo de tratamento para você. O que eu vejo muito em pacientes que chegam ao consultório são pacientes que tomam a medicação porque lêem na internet que tal medicação é indicada pra fazer ovular e elas tomam por vários meses consecutivos e vem ao consultório falando doutor eu já tomei essa medicação por vários meses e nada aconteceu. Isso é muito perigoso porque essas medicações elas estimulam a ovulação mas a longo prazo elas podem causar uma injúria no ovário. Às vezes podem causar, até descrito em estudos, câncer de ovário. Então não tomem medicação sem orientação médica porque realmente é muito perigoso. Consulte o seu médico converse com ele que ele vai te falar o melhor tipo de tratamento adequado para você. Se você gostou do nosso vídeo se inscreva no canal dê o seu like, ative o sininho de notificações para receber novos vídeos. Obrigada.

Cuidados com o pé diabético. O que fazer para evitar complicações.

Tem diabetes? Aprenda a cuidar dos seus pés para evitar problemas como amputação. O Dr Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato, dá as melhores dicas para evitar ter problemas no futuro com seus pés. Essas dicas são para quem tem pé diabético, mas outras doenças e situações que necessitam de cuidados especiais também podem se beneficiar.

— transcrição —

Olá sou Dr. Alexandre Amato cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje estou aqui nessa obra de arte. Pedestre do artista plástico Eduardo Srur para lembrar as necessidades que a gente tem de cuidar do pé principalmente no pé diabético. Então, o pé diabético uma situação onde pequenas feridas podem se desenvolver infecções bem grandes. Obviamente todos esses cuidados valem não só para quem tem pé diabético mas também para quem tem alguma infecção alguma fragilidade, linfedema, erisipela. Todos esses cuidados então valem para quem tem algum problema de fragilidade nos pés. Então vamos lá. A primeira dica é lavar bem os pés e secá-los após lavar. Então é sempre importante deixá-los bem secos para evitar que algum fungo se aproveite dessa umidade instalando se nesse local. Segunda dica é manter as unhas bem aparadas evitando machucar ao cortá-las. A terceira dica seria usar as meias viradas quando costura para fora a costura. Você pode pensar muito molinha não pode machucar mas para quem tem o pé diabético que é uma situação em que há uma diminuição da sensibilidade dos pés a pessoa não sente, então essa postura pode ficar raspando por muito tempo no mesmo local acaba e acaba formando uma ferida mais tarde no final do dia. Isso sem sentir nada, então, uma dica seria virar essa postura para fora. Outra dica é o uso de sapatos apropriados. No caso de diabetes existem sapatos próprios sem costura por dentro e extremamente acolchoados. Então existem várias marcas no mercado. Procure algum sapato que proteja os pés de forma que não forme feridas. Outra dica é a troca frequente das meias e intercalar o uso de sapatos para evitar a proliferação de fungos dentro deles. Esses fungos podem acabar desencadeando infecções nos pés. Mais uma dica seria: todos os dias inspecionar os pés fazer um diagnóstico, olhar os próprios pés com cuidado procurando pequenas feridinhas, essas pequenas feridinhas podem acabar no final de um longo dia ficando maiores e infeccionadas, então pequenas queridinhas têm que ser cuidadas desde cedo lavando muito bem, podendo ser com água e sabonete mantendo bem limpa o mesmo, e seco. No caso do pé diabético também é importante tomar cuidado com a temperatura. Então ao entrar numa água quente, por exemplo, numa banheira alguma coisa sem tomar muito cuidado e sentir a temperatura com o dorso da mão antes, exatamente por causa da diminuição da sensibilidade dos pés, a pessoa pode não ter essa noção de que está muito quente e acaba tendo uma queimadura. Então sinta a temperatura da água antes com o dorso da mão com o cotovelo antes de entrar numa banheira quente. Não precisa ser frio obviamente tem que ser uma água morna mas evite o uso os excessos de temperatura: tanto ou muito frio quanto muito quente. O Morno seria o ideal. Muito cuidado também ao andar descalço exatamente pela falta de sensibilidade nos pés. Pode não sentir pequenas pedrinhas, pequenas machucadinhos que numa pessoa que tenha uma sensibilidade normal pode não desencadear nada, mas em pessoas com mais essa diminuição da sensibilidade pode acabar crescendo e virando um problema muito maior. Então não ande descalço. Evite chinelos de dedo que também pode propiciar o tropeço e acabar machucando mais ainda. Busque calçados confortáveis e protegidos tomando todos esses cuidados é capaz de você evitar uma grande infecção no pé diabético e evitando um problema muito maior. Se você gostou do nosso vídeo curta nosso canal. Assine. Compartilhe. Clica no Sininho aqui embaixo que é assim você vai receber as novidades. Até a próxima.