Puberdade precoce: o que é?

A puberdade é considerada precoce quando ocorre antes dos 8 anos nas meninas e antes dos 9 anos nos meninos, e isso tem sido cada vez mais frequente. Essa antecipação pode estar sendo causada pela exposição das crianças aos desruptores endócrinos, que são substâncias que desregulam o sistema hormonal. Assista ao vídeo e saiba mais com a Dra. Lorena Amato (CRM 141594).

Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose

Várias pessoas precisam usar anticoagulante por diversos motivos, entre eles, gestantes e pacientes com trombofilia e trombose. A técnica de aplicação, ou de autoaplicação, é muito importante, e deve ser feita de maneira subcutânea se for realizada pelo paciente. A melhor região para a aplicação é a abdominal, além de ser primordial a limpeza da área antes da injeção de anticoagulante. Assista ao vídeo e saiba mais com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Úlceras: causas e cuidados

Úlceras são feridas de longas durações de várias causas, as venosas são as mais frequentes. As orientações podem variar conforme o paciente e o médico que estiver atendendo, mas basicamente os cuidados locais da úlcera venosa é deixa-la sempre limpa para evitar infecções. Assista ao vídeo e saiba mais com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Dermatite Ocre: manchas nas pernas

Dermatite Ocre são manchas de tonalidade mostarda, que surgem nas pernas ocasionadas pela insuficiência venosa. Essa insuficiência acaba causando uma hipertensão nas veias resultando no extravasamento do conteúdo do sangue para o subcutâneo desse paciente. Assista ao vídeo e conheça mais detalhes com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Embolia de miomas: tumores não malignos no útero

Os miomas são tumores não malignos que nascem na parede do útero. Eles podem causar diversos sintomas que podem variar desde sangramento menstrual exagerado, dor abdominal, entre outras dores que abrangem muitas das queixas femininas. Assista ao vídeo e saiba como eles podem ser tratados com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Mama Tuberosa: alteração no desenvolvimento da mama

A Mama Tuberosa é uma alteração no desenvolvimento da mama, que faz com que a mama fique menor em sua base, e com uma aréola mais alargada. A correção pode ser feita por colocação de implante mamário, protese de mama, e estar associada ou não a enxerto de gordura. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com o Dr. Fernando Amato (CRM 133826).

Assimetria Mamária: A diferença entre as mamas

A Assimetria Mamária é a diferença entre as mamas seja no tamanho, formato ou posição. O tratamento varia em cada caso, podendo ser fito mamoplastia e mastopexia, com ou sem implantes mamários. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com o Dr. Fernando Amato (CRM 133826).

–transcrição–
A assimetria mamária é a diferença do tamanho entre as mamas. Essa diferença pode ser bem discreta e ela é muito frequente. Pode ocorrer quase que em todas as mulheres, pelo menos com alguma assimetria, e que é aceitável.
Essa assimetria pode estar associada até a uma alteração na postura da paciente ou a alguma doença da coluna, como a escoliose.
Pequenas diferenças são aceitáveis, mas dependendo do caso pode interferir na qualidade de vida da paciente ou até mesmo gerar uma postura errada levando-a até a ter dor nas costas, dor na coluna.
Essa assimetria pode se apresentar de diversas formas, tendo algumas classificações, sendo uma delas a tipo 1, quando um lado só é pequeno. Tem a tipo 2, quando os dois lados são pequenos, porém um é menor do que outro. Pode apresentar com uma hipertrofia, ou seja, um lado ser muito grande e, por isso, precisar até fazer uma redução mamária, que pode ser a hipertrofia unilateral, ou seja, de um lado só.
Também pode ocorrer essa hipertrofia dos dois lados com uma diferença bem grande. Além disso, pode ter uma hipomastia, ou seja, um lado não desenvolvido e um lado muito desenvolvido e, em casos raros, pode apresentar uma hipomastia, ou seja, uma mama pequena com certa deformidade na parede torácica.
O tratamento vai variar de acordo com cada caso. Então nos casos em que a mama é pequena, pode ser feito só com prótese, pode ser feito enxerto de gordura, e em mamas grandes pode ser feita a redução de mama, a mamoplastia, e tem os casos que precisam fazer o reposicionamento da aureola, que é a mastopexia. E essa mastopexia pode ser feita com ou sem a prótese de mama, o implante mamário.
A tecnologia atual permite que seja possível prever um resultado ou pelo menos prever um volume por meio de simulações 3D e eu acredito que esse seja o futuro, poder utilizar da tecnologia para auxiliar nessa correção de volume entre as mamas.
Gostou do nosso vídeo? Acompanhe na nossa rede social.

Cirurgia plástica para retirar excesso de pele

Esta cada vez mais frequente pessoas que perdem muito peso, seja com auxilio de cirurgias, medicações ou dietas. Com isso cada vez mais está aumentando procedimentos cirúrgicos, como abdominoplastia, mamoplastia, cruroplastia e braquioplastia para melhorar qualidade de vida desses pacientes. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com o Dr. Fernando Amato (CRM 133826).

—-transcrição–
A maioria da população está no sobrepeso, sendo que mais que 20% dela já é obesa. A obesidade é um dos principais fatores de risco para diabetes e hipertensão. Com o objetivo de evitar complicações da obesidade, a cirurgia bariátrica vem crescendo muito.
Então agora temos muitos pacientes ex-obesos com grandes perdas ponderais, seja ela pela cirurgia bariátrica ou até mesmo por dieta e esses pacientes que sofreram essas grandes perdas começam a ter sequelas, que é o excesso de pele no corpo. Esse excesso de pele no corpo aparece principalmente no abdome, sendo a principal região tratada.
O tratamento do abdome é a abdominoplastia e ela pode ser feita com uma cicatriz tradicional, que é horizontal ou pode ser feita a dermolipectomia em ancora, que é mais utilizada nesses pacientes com grandes perdas de peso.
A segunda cirurgia mais realizada nesses pacientes é a mamoplastia. Ela pode ser uma mamoplastia redutora, pode ser uma mastopexia, em que a aureola perdeu a posição, então tem que se fazer o reposicionamento. E tem também a mamoplastia de aumento, que é só colocação de prótese.
Outra cirurgia muito realizada é a braquioplastia, que é a cirurgia plástica nos braços, que pode ser feita com lipoaspiração, lipoaspiração associada a uma ressecção de pele e essa ressecção de pele pode ser feita tanto longitudinal, como longitudinal com um pouquinho de ressecção na axila ou também, em alguns casos mais selecionados, com ressecção de pele somente na axila.
A cruroplastia é a retirada de pele nas coxas. Então uma região que concentra pele e gordura após essas perdas de peso é a região da face interna da coxa. Assim existe a cruroplastia e essa cruroplastia pode ser feita com lipoaspiração associada à ressecção de pele e ela pode ser em T, pode ser longitudinal ou pode ser num formato de L invertido, conhecido como bumerangue.
Além disso, existem outras regiões que são tratadas, como a região do dorso e a região glútea. Essa grande perda de peso, perda de volume, não ocorre somente nessas regiões, ocorre em todo o corpo. Então existem outras regiões que podem sofrer alterações e precisar de tratamento. Um outro exemplo é a face.
Era isso que eu tinha para falar sobre cirurgia nos pacientes ex-obesos. Caso queira mais informações, acompanhe nossos vídeos. Obrigado.

Lipedema: doença crônica do tecido adiposo

O Lipedema é uma doença crônica do tecido adiposo, afetando geralmente as pernas, ancas e braços. É caracterizado por uma deposição maior de tecido gorduroso simétrico nos membros inferiores ou superiores, ocorrendo uma assimetria entre tronco e membros. Pode ser hereditária e ocorre quase exclusivamente em mulheres. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com o Dr. Alexandre Amato (108651).

–transcrição–

Olá! Sou doutor Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje vamos falar sobre lipedema, que é frequentemente confundido com o linfedema. O lipedema é uma doença crônica que atinge na maioria das vezes as mulheres. Aliás, é muito rara em homens.
É uma doença com características genéticas, hereditárias, embora não tenha sido identificado o gene específico, em que ocorre uma deposição maior de tecido gorduroso simétrico nos membros inferiores mais frequentemente, mas também nos membros superiores, ocorrendo uma assimetria entre a deposição de gordura no tronco e abdome com relação aos membros.
Então, são aquelas pessoas que têm as pernas muito gordas e têm dificuldade de perder o peso nas pernas quando fazem dieta, quando fazem exercício. Mas essa gordura também traz outros sintomas, sintomas que incomodam bastante. Sintomas como dor nos tecidos moles, tanto ao toque, com a sensibilidade maior, mas também uma dor generalizada nas pernas. Muitas vezes essa dor acaba se confundindo com outras causas de dor, como uma doença venosa, como o linfedema.
O paciente pode relatar também uma queixa de inchaço. Esses inchaço nas pernas que não diminui, não consegue controlar, pode estar associado ao lipedema.
Facilidade de formar hematomas, equimoses, qualquer pequena pancadinha forma grandes hematomas. Seria uma fragilidade capilar, mas isso também está associada ao lipedema. Normalmente os sintomas ocorrem após grandes alterações hormonais na mulher. Então após a puberdade, após a menopausa ou após uma gestação, pode acabar desencadeando a formação e a deposição de gordura do lipedema.
Existem outros sintomas que não são tão frequentes, mas que também estão associados, mas o importante é a gente diferenciar das outras causas de hedema de membros inferiores. Então a insuficiência venosa crônica, veja nosso vídeo sobre a insuficiência venosa crônica, e o linfedema, sobre o qual também temos um vídeo mostrando os principais sintomas.
Qualquer dúvida procure o cirurgião vascular. Se você curtiu esse vídeo, compartilhe.

Erisipela: A infecção que causa vermelhidão na pele

A erisipela é uma infecção da camada superficial da pele que provoca feridas vermelhas, inflamadas e dolorosas, e se desenvolve principalmente nas pernas, rosto ou braços, apesar de poder surgir em qualquer parte do corpo. Esta doença é mais frequente em pessoas com mais de 50 anos de idade, obesos ou diabéticos. Pode ser causada por uma bactéria específica (Streptcoccus pyogenes), ou por celulites. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com o Dr. Alexandre Amato (108651).

–transcricao–

Olá, sou o doutor Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje vou falar um pouquinho sobre erisipela. A erisipela é uma infecção extremamente comum em que acaba causando um grande vermelhão na perna. Essa hiperemia, esse vermelhão decorrente de uma infecção por uma bactéria localizada no tecido subcutâneo e derme, em membro inferior.
A erisipela é causada por uma bactéria bem específica, mas existe também a celulite, que aí não é celulite estética que todo mundo fala. A celulite também é uma infecção que pode ocorrer em tecidos subcutâneos e aí por outras bactérias menos graves. Mas as duas funcionam mais ou menos do mesmo jeito, tanto a erisipela, quanto a celulite.
É uma infecção que precisa de uma porta de entrada. Essa porta de entrada normalmente ocorre em pequenas feridas no pé e a ferida mais comum é a micose. Então quem tem uma micose, a gente sabe que a micose ocorre por causa de um fungo. Não é esse fungo que acaba causando a erisipela, mas as pequenas rachaduras, as pequenas feridas acabam sendo então a porta de entrada para essa bactéria que vai desencadear essa infecção.
O paciente que tem então vermelhão na perna por causa de uma erisipela vai ter os sinais sistêmicos de uma infecção. Pode ter febre, pode ter calafrios, pode ter infecção mostrada no sangue também.
E a erisipela deve ser tratada rápida e deve ser tratada com antibiótico sistêmico indicado pelo seu médico. Muito frequentemente os pacientes procuram o cirurgião vascular para o tratamento da erisipela, mas não espere passar até o consultório do cirurgião vascular. Se for demorar muito, vá ao pronto socorro, já inicie o tratamento, que é importante começar cedo, para ter a menor quantidade de dano no nosso sistema linfático possível.
Quem tem a erisipela vai acabar tendo esse dano no tecido linfático, que pode acabar causando inchaço no futuro e predispor a novos eventos de erisipela.
Então se tiver a suspeita, se tiver a dúvida, procure o seu médico o mais rápido possível.
Muito obrigado pela atenção e estamos à disposição.